publicidade
Propaganda

Home » ECONOMIA » Em tempos de crise, crédito para estatais não cai, mas juros aumentam em 50 países, aponta FMI

Economia

Em tempos de crise, crédito para estatais não cai, mas juros aumentam em 50 países, aponta FMI

ONU Brasil | 24/07/2018 | 09:27
foto Bolsa de Nova Iorque, nos Estados Unidos. Foto: WikiCommons/Carlos Delgado

Durante a crise financeira que teve início em 2008, a oferta de crédito para o setor público teve alta — o volume de empréstimos concedidos a estatais aumentou 8,5%. Mas a disponibilidade de recursos veio acompanhada de uma grande elevação dos juros. É o que revela um novo levantamento do Fundo Monetário Internacional (FMI), que analisou 18 mil empréstimos comerciais em 50 países para o período 2004-2011. Relatório foi divulgado neste mês (10).

Na comparação com o período pré-crise, os anos 2008-2011 viram um crescimento de 12% no crédito de bancos nacionais para os Estados onde operavam. Governos, porém, tiveram menos acesso a aportes de bancos estrangeiros — houve uma queda de 9% nos empréstimos dessas instituições para estatais. Apesar da redução, a média para os mutuários públicos aponta uma tendência de crescimento (8,5%), bem acima da redução (-17,6%) nos empréstimos em todo o mundo.

O cenário entre as estatais contrasta com os cortes no crédito para o setor privado (-38%). Na avaliação do FMI, a diminuição foi uma reação intuitiva do mercado — bancos têm menos informações sobre firmas particulares e preferem, em momentos de recessão, clientes mais confiáveis. Ao mesmo tempo, o fenômeno também poderia indicar que, em tempos de crise, a falta de transparência cresce no setor corporativo. Já os juros tiveram alta mínima, bem menor que para o setor público.

Também para o setor privado, o FMI identificou uma contração do crédito muito maior entre os bancos estrangeiros — com cortes de 50% nos empréstimos dessas instituições — do que entre os organismos financeiros domésticos (-34%).

Avaliando as categorias A, B, C e D da consultoria Standard and Poor’s para confiança e risco financeiro, o FMI revela, ao contrário do que poderia se esperar, um aumento de 23% nos empréstimos para o pior grupo durante a crise. Em todas as outras classificações, houve queda de no mínimo 28%. De acordo com o relatório, isso indica que empresas mais acima no ranking caíram de classificação devido à recessão, o que explica o volume de recursos injetados na categoria D.

EUA x o resto do mundo

O FMI também comparou as oscilações de bancos e mutuários estadunidenses com as médias para os credores e devedores de outras partes do mundo. Segundo o levantamento, em 2008-2011, as instituições financeiras norte-americanas reduziram em 44,8% o volume de empréstimos concedidos, ao passo que, no restante do planeta, houve aumento (4,8%).

Nos Estados Unidos, os bancos domésticos reduziram em 52,8% os empréstimos para companhias privadas. Uma tendência de queda (-17,45%) também foi identificada nos outros países. No entanto, quando considerados os mutuários públicos, decréscimos (-36%) foram observados apenas entre as estatais norte-americanas. Em outras nações, os empréstimos para empresas de Estado quase dobraram (92,6%) durante a crise.

Países desenvolvidos x países em desenvolvimento

Entre as nações ricas e emergentes, também houve discrepância — o volume de empréstimos cresceu 4,7% nos anos de crise nos países em desenvolvimento, mas teve retração (-19%) nas nações desenvolvidas. Tanto no setor público, quanto no privado, os Estados de economia de média e baixa renda viram a oferta doméstica de crédito crescer — bancos nacionais disponibilizaram quase 50% mais recursos para empresas particulares e 120%, para estatais.

Já nos países desenvolvidos, os empréstimos de instituições financeiras domésticas tiveram redução (-36,5%) para o setor privado e aumento modesto (10%) para o setor público.

Quando avaliada a oferta de organismos estrangeiros, o crédito teve alta (6,8%) para as estatais de nações em desenvolvimento, mas apresentou regressão (-11,7%) para as estatais de países ricos. A atuação de instituições de fora foi semelhante no caso dos empréstimos para empresas privadas — em Estados desenvolvidos e em desenvolvimento, houve queda de cerca de 50%.

O peso de investidores domésticos, porém, compensou as corporações de países em desenvolvimento. Firmas privadas dessas nações registraram contração de 14,7% no volume de empréstimos. Ainda que negativo, o valor ficou bem acima dos -40% verificados nas economias desenvolvidas.

Acesse o relatório do FMI na íntegra clicando aqui.

« Voltar

NOSSOS CONTATOS

Rua Padre Bernardo da Silva, 1720
São Bernardo
Campinas | São Paulo
Cep. 13710-030
Fone: (19) 3032-0145
e-mail:
contato@themost.com.br

NOSSA REDE

FALE CONOSCO

Copyright ® | www.themost.com.br | Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por